20/05/2022 (21) 979164559

Política

PARTICIPE DO NOSSO GRUPO do WhatsApp -728x90 - Topo do Site - Local 1 e 2

Educação e Trabalho concentram cortes de Bolsonaro

Vetos ao Orçamento ainda bloqueiam recursos do Ministério da Saúde, de quilombolas e de combate a incêndios florestais

Por Redação 25/01/2022 às 04:59:27

Foto: Isaac Nóbrega/PR

Os ministérios do Trabalho e Previdência e da Educação concentram mais da metade dos R$ 3,18 bilhões em recursos vetados, com cortes de R$ 1 bilhão e R$ 802,6 milhões, respectivamente.

A maior parte dos recursos vetados da pasta do Trabalho e Previdência foi do Instituto Nacional da Seguridade Social (INSS), com a subtração de R$ 988 milhão.

Na Educação, o veto proíbe o gasto de R$ 22 milhões para compra de veículos de transporte escolar. O fomento às ações de graduação, pós-graduação, ensino, pesquisa e extensão perdeu R$ 4,2 milhões.

Outras pastas da Esplanada dos Ministérios também foram antigidas, como o Desenvolvimento Regional (R$ 458,7 milhões), a Cidadania (R$ 284,3 milhões) e a Infraestrutura (R$ 177,8 milhões).

O Ministério da Economia foi poupado de novas reduções de recursos, com um veto de apenas R$ 85,9 mil. A Saúde, por sua vez, central no combate à pandemia do novo coronavírus, teve corte de R$ 74,2 milhões.

A Fiocruz, ligada ao ministério, perdeu R$ 11 milhões em pesquisas de desenvolvimento tecnológico em saúde. O órgão produz, entre outros, imunizantes contra a covid-19.

Apesar dos cortes, Bolsonaro manteve a autorização de despesa de R$ 1,7 bilhão para a concessão de reajustes a servidores em 2022. A intenção do presidente é contemplar as corporações policiais, mas a decisão ainda não aparece de forma detalhada no orçamento.

Os cortes promovidos pelo presidente ainda afetam ações e programas como o saneamento básico para comunidades quilombolas (corte de R$ 40 milhões) e a prevenção de incêndios florestais (R$ 8,5 milhões vetados).

Segundo o governo, os vetos são condição para permitir a recomposição de gastos com pessoal que teriam sido subestimados pelo Congresso Nacional. Durante a votação do projeto de lei no Congresso, os parlamentares cortaram parte das despesas com pessoal.

De acordo com o Executivo, os cortes foram necessários para conseguir repor recursos que deveriam ser destinados ao pagamento do funcionalismo público federal.

Fonte: Brasil de Fato

Comunicar erro
Comentários