:
24/02/2024 (21) 979164559

PolĂ­tica

Lula sanciona Marco Legal das Garantias

Presidente veta tomada de veĂ­culos sem ordem judicial

Por Redação 31/10/2023 às 17:53:43

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O tomador de crédito agora pode oferecer bens como garantia para mais de um empréstimo. O presidente Luiz InĂĄcio Lula da Silva sancionou, com vetos, o Marco Legal das Garantias, aprovado no inĂ­cio de outubro pelo Senado.

Não perca nossas principais notĂ­cias, participe do nosso grupo de WhatsApp CLIQUE AQUI e fique informado todos os dias. Lembrando que apenas administradores podem enviar mensagens.


O presidente, no entanto, vetou um trecho que permitia a tomada de veĂ­culos com financiamento em atraso sem a autorização da Justiça. A apreensão por mandado extrajudicial ocorreria se o devedor não entregasse o bem dentro do prazo legal. Nesse caso, os cartórios lançariam a tomada do bem em uma plataforma eletrônica.

Em justificativa enviada ao Senado, a PresidĂȘncia da RepĂșblica informou que o trecho é inconstitucional, por criar riscos a direitos e garantias individuais e violar a clĂĄusula de reserva de jurisdição. Segundo o despacho, a decisão foi tomada após consulta ao Ministério da Justiça e Segurança PĂșblica.

A posição contraria o Ministério da Fazenda. Segundo a Secretaria de Reformas Econômicas da pasta, os financiadores tinham de pedir a tomada do veĂ­culo na Justiça, o que levava tempo, enquanto muitos carros financiados desapareciam durante o processo. De acordo com o órgão, a apreensão fora da Justiça baratearia os financiamentos de veĂ­culos para toda a população.

O que muda

Com a nova lei, o consumidor poderĂĄ dar um imóvel em garantia em vĂĄrias operações de crédito simultĂąneas. Isso vale se o tomador tiver uma moradia extra, sendo proibida a inclusão do imóvel Ășnico como garantia de um empréstimo. Segundo o governo, essa vedação impede que uma famĂ­lia fique sem moradia e tenha o imóvel tomado se deixar de pagar uma dĂ­vida.

Antes da lei, uma casa só poderia ser dada como garantia em uma Ășnica operação de crédito, mesmo se o empréstimo ou financiamento tivesse valor mais baixo. Agora, a diferença entre o valor da operação de crédito e do bem dado como garantia poderĂĄ ser usada em outras operações, desde que estejam dentro da mesma instituição financeira.

Por exemplo, se um imóvel de R$ 300 mil fosse dado como garantia para um empréstimo de R$ 50 mil, os R$ 250 mil de diferença não poderiam ser dados como garantia até que a operação fosse quitada. Se o consumidor não pagasse o empréstimo, e a casa fosse a leilão, o consumidor embolsava a diferença. Só aĂ­ poderia usar o dinheiro.

Agora, os R$ 250 mil restantes poderão ser usados para outras operações de crédito, comprometendo todo o valor da casa. Não é possĂ­vel dar o mesmo bem como garantia para bancos diferentes.

Outra novidade da lei é a possibilidade de que o credor faça propostas de desconto ao devedor por meio de cartórios. O consumidor inadimplente terĂĄ 30 dias para aceitar a proposta a partir do recebimento por carta simples, correio eletrônico ou aplicativo de mensagem instantĂąnea.

O projeto de lei havia sido enviado ao Congresso Nacional em 2021, no governo anterior. De acordo com o Ministério da Fazenda, a nova lei é importante para baratear o custo do crédito no paĂ­s.

----

São Gonçalo RJ reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade. Nossa redação produz diariamente informação responsĂĄvel e que vocĂȘ pode confiar.

Siga o São Gonçalo RJ no Facebook, no Twitter e no Instagram. Ajude a aumentar a nossa comunidade. Leia também o São Gonçalo RJ através do Google NotĂ­cias.


Fonte: AgĂȘncia Brasil

Comunicar erro
ComentĂĄrios