:
04/03/2024 (21) 979164559

PolĂ­tica

Flávio Dino cita ameaça de parlamentares e deixa de ir à Câmara

Ministro encaminhou ofĂ­cio ao presidente da Casa, Arthur Lira

Por Redação 21/11/2023 às 15:49:42

Foto: © José Cruz/Agência Brasil

Pela terceira vez, o ministro da Justiça e Segurança Pública, FlĂĄvio Dino, deixou de comparecer à Comissão de Segurança Pública da CĂąmara dos Deputados, nesta terça-feira (21). Em ofício encaminhado ao presidente da Casa, deputado federal Arthur Lira (PP-AL), o ministro reiterou que é alvo de ameaças proferidas por parlamentares e, por isso, falta segurança para comparecer ao colegiado.

Não perca nossas principais notícias, participe do nosso grupo de WhatsApp CLIQUE AQUI e fique informado todos os dias. Lembrando que apenas administradores podem enviar mensagens.

Dino lembrou-se de xingamentos e confusões de outras convocações e pediu providĂȘncias quanto à conduta do presidente da comissão, deputado Sanderson (PL-RS), alegando falta de capacidade e de isenção do parlamentar. Ao mesmo tempo, Dino pede que a reunião seja realizada em uma comissão geral no plenĂĄrio da CĂąmara, repetindo os argumentos usados para não comparecer à última convocação feita pela comissão no dia 24 de outubro.

O deputado Sanderson afirmou que a ausĂȘncia do ministro configura crime de responsabilidade com base no Artigo 50 da Constituição Federal. "Ministros de Estado, quando convocados, havendo pertinĂȘncia temĂĄtica e hĂĄ, e não comparecendo, ele automaticamente comente crime de responsabilidade. A menos que tivesse uma justa causa, uma doença, ou que foi convocado para uma reunião internacional de última hora, mas não é isso. Ele não vem porque não quer", reclamou.

No documento enviado ao presidente da CĂąmara, o ministro argumenta que algumas manifestações de deputados de oposição à atual gestão federal equivalem a ameaças contra sua integridade e afirma ter sido orientado a não comparecer à sessão. Dino reproduz fotos de parlamentares governistas e de oposição quase chegando às vias de fato para apontar o "inusitado clima agressivo, hostil e de desordem" que, segundo ele, marca os trabalhos da comissão.

"A partir das frases dos citados parlamentares, membros da comissão, é verossímil pensar que eles andam armados, o que se configura uma grave ameaça à minha integridade física, se eu comparecesse à audiĂȘncia. Lembro, a propósito, que os parlamentares não se submetem aos detectores de metais, o que reforça a percepção de risco, inclusive em razão dos reiterados desatinos por parte de alguns. Ademais, sublinho que o presidente da comissão reconheceu a impossibilidade de manutenção da ordem dos trabalhos, ao encerrar a sessão anterior a que compareci no dia e hora marcados", encerra Dino.

O ministro da Justiça e Segurança Pública tem sido convocado pela Comissão de Segurança da CĂąmara para falar de diferentes temas. Os parlamentares querem explicação sobre os atos golpistas de 8 de janeiro; a regulamentação das armas; invasão de terras; supostas interferĂȘncias na Polícia Federal, entre outros temas.

----

São Gonçalo RJ reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade. Nossa redação produz diariamente informação responsĂĄvel e que vocĂȘ pode confiar.

Siga o São Gonçalo RJ no Facebook, no Twitter e no Instagram. Ajude a aumentar a nossa comunidade. Leia também o São Gonçalo RJ através do Google Notícias.

Fonte: AgĂȘncia Brasil

Comunicar erro
ComentĂĄrios