13/04/2024 (21) 979164559

PolĂ­tica

Ronnie Lessa delatou Domingos Brazão como mandante da morte de Marielle Franco

Outro ex-policial militar envolvido no caso, Élcio de Queiroz, jĂĄ havia feito uma delação em julho do ano passado, admitindo que dirigiu o veĂ­culo utilizado no atentado

Por Redacao 23/01/2024 às 14:02:55

Foto: Reprodução

O ex-policial militar Ronnie Lessa, acusado de envolvimento nos assassinatos da vereadora Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes, incluiu o conselheiro do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro, Domingos Brazão, como um dos mandantes do atentado, segundo informações do site Intercept Brasil por meio de fontes vinculadas à investigação.

Receba notĂ­cias do São Gonçalo RJ no seu Whatsapp e fique por dentro de tudo! Basta acessar o grupo: Clique aqui!

Preso desde março de 2019, Lessa firmou um acordo de delação premiada com a PolĂ­cia Federal (PF). Contudo, a homologação do acordo depende do Superior Tribunal de Justiça (STJ), pois Brazão possui foro privilegiado em razão de sua posição no tribunal.

O advogado MĂĄrcio Palma, que representa Domingos Brazão, afirmou que não estava ciente dessa informação e ressaltou que sua Ășnica fonte de informações sobre o caso é a imprensa, uma vez que seu pedido de acesso aos autos foi negado, alegando que Brazão não era objeto de investigação. Em entrevistas anteriores, Brazão sempre negou sua participação no crime.

Outro ex-policial militar envolvido no caso, Élcio de Queiroz, jĂĄ havia feito uma delação em julho do ano passado, admitindo que dirigiu o veĂ­culo utilizado no atentado. O crime ocorreu em 14 de março de 2018, no bairro de EstĂĄcio, no centro do Rio de Janeiro.

Condenação

Ronnie Lessa, ex-membro do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), foi condenado em julho de 2021 por destruir provas relacionadas ao caso. Ele, sua esposa, cunhado e dois amigos descartaram armas no mar, incluindo a suspeita de ter sido usada no assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes.

Domingos Brazão, ex-filiado ao MDB, foi suspeito do caso desde 2019 e chegou a ser formalmente acusado pela Procuradoria-Geral da RepĂșblica (PGR) de obstruir as investigações. O principal motivo que se especula para sua suposta ordem de atentado contra Marielle é vingança contra Marcelo Freixo, atual presidente da Embratur e ex-deputado estadual pelo Psol. Ambos tiveram disputas acaloradas quando Brazão era deputado estadual, chegando a serem acusados formalmente em 2019.

A ministra Laurita Vaz, do Superior Tribunal de Justiça, mencionou em 2020 a possibilidade de Brazão agir por vingança, considerando a intervenção de Marcelo Freixo nas ações movidas pelo Ministério PĂșblico Federal, que levaram ao seu afastamento do cargo de conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro.

Recentemente, o Ministério PĂșblico retomou a anĂĄlise de documentos relacionados à milĂ­cia em Rio das Pedras, na zona oeste do Rio, suspeita de ter vĂ­nculos com a famĂ­lia Brazão e o Escritório do Crime, de acordo com as investigações da PolĂ­cia Civil e do próprio MP. A famĂ­lia Brazão é uma influente força polĂ­tica no Rio de Janeiro, composta por Domingos, o deputado estadual Manoel InĂĄcio Brazão, conhecido como Pedro Brazão, e Chiquinho, colega de Marielle na Câmara na época do assassinato.

---

São Gonçalo RJ reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade. Nossa redação produz diariamente informação responsĂĄvel e que vocĂȘ pode confiar.

Siga o São Gonçalo RJ no Facebook, no Twitter e no Instagram. Ajude a aumentar a nossa comunidade. Leia também o São Gonçalo RJ através do Google NotĂ­cias.


Fonte: Meio Norte

Comunicar erro
ComentĂĄrios